sexta-feira, 26 de junho de 2015

É impossível remover agrotóxicos dos alimentos


De vez em quando, as redes sociais desencavam uns assuntos mofados, um monte de gente curte e compartilha e com isso, certos mitos voltam. 
Com a crença em remover agrotóxicos dos alimentos, aconteceu o mesmo. É impossível remover agrotóxicos dos alimentos.
Receitas caseiras a base de água sanitária, água oxigenada, iodo, hipoclorito, bicarbonato, carvão ativado, vinagre, limão ou argila são, além de ineficazes, muitas vezes não recomendadas. Observe que o hipoclorito afeta a tireoide.

Os agrotóxicos são substâncias químicas ou biológicas normalmente utilizadas para combater possíveis pragas que podem vir a causar danos aos cultivos. Existem três tipos: herbicidas (combatem ervas daninhas), inseticidas (combatem pragas) e fungicidas (obviamente sobre fungos). Os agrotóxicos dividem-se basicamente em dois grupos de transmissão: por contato ou sistêmicos - os agrotóxicos sistêmicos, mais usados atualmente penetram no fruto desde a seiva e incorporam-se ao DNA do vegetal. Seu acúmulo no organismo leva ao câncer, alergias em geral, doenças generativas e desequilíbrios hormonais. Em gestantes, pode causar má formação fetal.


Higienizar os vegetais é fundamental para eliminar possíveis parasitas, contudo remove apenas a parte do agrotóxico usado nas plantações. Para eliminar parasitas em geral, o mais recomendado é deixar de molho em soluções à base de cloro ou cloreto de sódio e permanganato de potássio, produtos tradicionalmente à venda em supermercados e distribuídos gratuitamente em postos de saúde mantidos pelo SUS. Na ausência de ambos, soluções de limão ou vinagre diluídos em água resolvem perfeitamente.


O brasileiro já consome em média 5 litros anuais de agrotóxico, muitos proibidos em outros países ou adulterados e contrabandeados sem qualquer controle. Comprar orgânicos, além de ser melhor para a saúde, fortalece a agricultura familiar, mantém a terra nas mãos de pequenos produtores, não financia a agroindústria transgênica e claro, qualquer produtor de fertilizantes sintéticos, que não contaminam apenas os alimentos, mas também o solo e os lençóis freáticos do entorno.


Deixando seus orgânicos de molho, não esqueça de usar bacias, deixar em água corrente não vai cobrir toda a superfície e ainda desperdiçar mais água.



Trago abaixo dois artigos e deixo também a Nota Técnica de Esclarecimento sobre o Risco de Consumo de Frutas e Hortaliças cultivadas com Agrotóxicos divulgada pela ANVISA para baixar do link ou ler diretamente do meu slideshare.






Lavar alimentos pode ser inútil para tirar agrotóxicos, dizem especialistas


Defensivos agrícolas podem ficar dentro dos alimentos.

Instituto pede regras mais rígidas para controlar venenos.


Deixar vegetais de molho no vinagre antes de levá-los à mesa pode ser ótimo para matar micróbios, mas 

nem sempre vai funcionar quando se quer tirar agrotóxicos de frutas e verduras, relataram especialistas ouvidos pelo G1.


Em 15 de 20 culturas analisadas pela Anvisa foram encontrados ingredientes ativos em processo de reavaliação toxicológica junto à agência, como o endossulfan em pepino e pimentão; acefato em cebola e cenoura; e metamidofós em pimentão, tomate, alface e cebola.


"Dentre as medidas necessárias está a reavaliação toxicológica das substâncias pela Anvisa, uma vez que vários agrotóxicos utilizados no Brasil já foram proibidos em outros países, diante das evidências de seus riscos", comunicou a ONG em nota ao G1.


Para o engenheiro de alimentos Carlos Eduardo Sassano, professor da Universidade de Guarulhos, o problema seria resolvido se os agrotóxicos fossem utilizados da maneira correta. "Se fossem usados dentro dos padrões permitidos, não teria problema", defende.


Segundo ele, o consumo de alimentos orgânicos poderia ser uma boa alternativa, mas é difícil haver produção suficiente. "Estamos falando de uma sociedade moderna, onde a produtividade tem que ser alta. Por isso a gente não vislumbra agricultura sem agrotóxico."


O médico Angelo Trapé, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), discorda da opinião dos colegas. Segundo ele, as irregularidades encontradas pela Anvisa não mostram que haja perigo ao consumidor, pois a quantidade de agrotóxicos nos alimentos é muito pequena. "A população pode ingerir alimentos de maneira segura que não vai causar nenhum dano à sua saúde."


De 3.130 amostras coletadas pela agência, 29% apresentaram algum tipo de irregularidade.A dificuldade cresce nas situações em que há penetração da substância. “Nesse quadro, a fervura pode inativá-la, mas há agrotóxicos à base de zinco ou estanho, à base de metais, que são chamados estáveis”, afirma Wong. “Quando isso ocorre, o aquecimento não inativa, logo não reduz o perigo.”


Já existe no Brasil uma “indicação de banimento” para as três substâncias. Dirceu Barbano, diretor da Anvisa, afirmou na quarta-feira (23) que esses ingredientes causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer.


De acordo com Pignati, a estatísticas não mostram essas doenças relacionadas a agrotóxicos porque é difícil fazer exames para identificar substâncias tóxicas no organismo. "Aqui em Mato Grosso, se eu quiser fazer uma análise de suspeita de resíduos de agrotóxicos no sangue ou na urina, tenho que mandar a amostra para o Rio de Janeiro ou São Paulo".


Os fabricantes de defensivos agrícolas, por meio da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), defendem que os produtores rurais estão cada vez mais preocupados em aplicar corretamente os agrotóxicos.


"A Andef considera fundamental tranqüilizar a população quanto à segurança dos alimentos tratados com defensivos aplicados de acordo com as recomendações agronômicas e oficialmente registrados", afirmou a instituição em nota divulgada à imprensa.


A preocupação com resíduos tóxicos na comida ganhou força nesta quarta-feira (24), quando um relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apontou alta presença de agrotóxicos nos alimentos brasileiros


Segundo Anthony Wong, diretor médico do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) da Faculdade de Medicina da USP, “se o agrotóxico for de superfície, de aplicação limitada à parte externa do alimento, elimina-se o risco na maioria das vezes lavando bem”, diz. Os casos do morango e do tomate, por exemplo, poderiam ser “facilmente resolvidos” assim.


O médico Wanderlei Pignati, professor de Saúde Ambiental na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), é mais cético em relação à água. "[Lavar os alimentos] não resolve praticamente nada. Vai eliminar o agrotóxico que tem na casca, mas o grande problema está dentro", afirma.


Segundo Wong, do Ceatox, a total eliminação de situações de risco depende do governo. “Aí, só fiscalização mesmo. Não tem como eliminar por lavagem ou fervura.”O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) defende regras mais rígidas para agrotóxicos. 







Frutas e Verduras têm índices alarmantes de agrotóxicos


Fonte O Globo, 16 de abril de 2009


O pimentão é o alimento com maior contaminação por agrotóxicos no Brasil, de acordo com o programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos divulgado pela ANVISA.Como reduzir os riscos


O morango, a uva e a cenoura também apresentam alto índice de irregularidades. A pesquisa revelou ainda que pesticidas proibidos continuama ser aplicados e há casos de uso excessivo de agrotóxicos em algumas plantações.A ANVISA analisou 1.773 amostras de alimentos (vide tabela abaixo). Do total avaliado, 15% das amostras estavam insatisfatórias. De 101 amostras de pimentão analisadas em supermercados de 25 estados no ano passado, 65 apresentavam índice elevado de agrotóxicos.Em 2008, o Brasil tornou-se o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, ultrapassando os EUA. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química, esse mercado movimentou mais de US$06,9 bilhões em 2008.Alguns pesticidas proibidos em outros países, como o acefato e o endossulfam e o forato, continuam em uso no Brasil. Esses e outros dez agrotóxicos estão em revisão pela ANVISA. Muitos dos que são tidos como cancerígenos causadores de problemas hormonais e, no caso de grávidas, potencialmente geradores de deformações em fetos. O metamidofós, por exemplo, foi banido da China, mas grande parte de seus estoques tem sido enviada para o Brasil. Em 2008, produtores brasileiros importaram US$15,8milhões em metamidofós. Esse pesticida pode intoxicar o tecido nervoso humano.


Especialistas explicam que agricultores usam diferentes tipos de agrotóxicos. Os produtos de uso externo, que são pulverizados, e aqueles que são aplicados na terra. O excesso do primeiro tipo de agrotóxico pode ser eliminado lavando-se bem os alimentos de maneira correta. Já o segundo dificilmente é retirado. Antes de serem lavados, os alimentos devem ser colocados na geladeira por 2 horas. Isto é necessário porque as frutas e as hortaliças, quando em contato com a água na mesma temperatura, absorvem as impurezas então na casca. Então, para evitar esse risco, elas precisam estar geladas na hora em que forem lavadas.Ainda em baixa temperatura, as frutas e hortaliças devem ser colocadas numa solução de uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água. Ou, se preferir, numa solução de 50 mililitros de vinagre para cada litro de água. Os alimentos devem permanecer submersos por cerca de 10 minutos. Ainda existe a opção de deixá-los de molho em pastilhas de cloro. Há quem recomende o usos de detergente neutro na lavagem, mas nesse caso, é preciso enxaguar bem, caso contrário o consumidor pode ingerir resíduos de sabão.

Tabela de grau de contaminação de alimentos

(percentual de contaminação acima do permitido pela ANVISA)
Pimentão _____ 64,36%
Morango ______36,05%
Uva _________32,67%
Cenoura ______30,39%
Alface _______ 19,80%
Tomate ______ 18,27%
Mamão ______ 17,31%
Laranja ______ 14,85%
Abacaxi ______09,47%
Repolho ______08,82%
Arroz ________04,41%
Maçã ________03,92%
Feijão ________02,92%
Cebola _______02,91%










Filmes sobre o assunto:
O veneno está na mesa 2
O mundo segundo a Monsanto 
“O veneno está na mesa”, de Silvio Tendler e Wladimir Pomar
Nuvens de Veneno: documentário sobre agrotóxicos no estado do Mato Grosso



Mais informação:

Se é Bayer, é bom?
Alimentos irradiados

O Brasil Orgânico que funciona
Como comprar e reconhecer produtos orgânicos
Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos
Agrotóxicos, orgânicos e trabalho escravo (parte 01/07) 
Tecnologia Terminator: as sementes suicidas estão de volta

O mito do agrobusiness: agronegócio perde em eficácia para agricultura familiar
Tudo que você queria saber sobre orgânicos, mas não tinha uma nutricionista para peguntar

Carta aberta da Fiocruz frente às atuais mudanças na regulação de agrotóxicos e perdas para saúde pública

terça-feira, 23 de junho de 2015

Os cheiros de Fefa Pimenta e Ewé Alquimia

Um dos assuntos mais populares daqui do blog é cosmética natural, abaixo em "mais informação", eu deixo as postagens mais acessadas no assunto. Com isso, acabei encontrando algumas pessoas da área e tendo a oportunidade de conhecer produtos não testados em animais, livres de parabenos, aromas e corantes sintéticos ou derivados de petróleo, produzidos em base de óleos essenciais e resinas extraídas de forma ética, além é claro de serem 100% biodegradáveis. Essa semana mesmo chegaram duas compras recentes que fiz e recomendo. 
Recomendo exatamente porque comprei como todo mundo, não foram presentes em troca de divulgação aqui no blog. Mesmo que tivessem sido presentes, eu não venderia esse espaço em troca de sabonetes e xampus e, caso fossem ruins, não divulgaria. Como já disse milhares de vezes, esse blog só me dá prazer, com ele nunca ganhei um centavo.
Sendo assim, sinto-me inteiramente à vontade para divulgar o bom trabalho de terceiros, se devemos ser a mudança que queremos no mundo, nada mais natural do que dar uma força a quem vive do que acredita.





Quem chegou primeiro: os xampus sólidos e sabonetes em barra de Fefa Pimenta
Em uma frase: Estou simplesmente encantada, os produtos além de excelentes, deixaram minha casa inteirinha cheirando a óleo essencial de laranja. Uma coisa de bom.
Se nunca lavou o cabelo com um xampu sólido, não sabe o que está perdendo, se existe coisa mais prática, fico devendo, ainda por cima sai mais barato porque rende. Vale muito a pena!

Ganhei de brinde um mini sabonete de lavanda (com óleos essenciais de manjericão, patchouli e alecrim), que não havia encomendado, e estou amando para lavar o rosto. O difícil no site da Fefa é se controlar para não levar um de cada e ficar brincando em casa. Atenciosa, lembrou meses depois, que o xampu sólido que eu queria, em henna, não estava disponível, sugeriu-me outro, levei e estou mais do que satisfeita.

Repare que as embalagens são 100% recicláveis e biodegradáveis.









Vindos da Bahia pelos nossos confiáveis serviços de Correios, os cheiros de inspiração afro da Ewé Cosméticos, com produtos específicos para cabelos cacheados e tutoriais no youtube para moças negras manterem seus cachos lindos com a manteiga de dendê e mel delas. Alguns produtos parecem ter inspiração mais mística com toda a simbologia do Candomblé. Como não tenho cabelo afro, sempre levo um xampu de raiz forte (com juá, que tanto amamos por aqui, além de pimenta, alecrim e mutamba) para fortalecer o couro cabeludo. E aproveito também para encomendar o que já virou um vício para mim, o perfume de Gabriela, com textura de manteiga e inspirado na personagem homônima do livro de Jorge Amado, em cravo e canela, cacau, rosas, gerânios e bergamota.

Ainda tenho dois produtos antigos, a manteiga de baunilha, que uso para retirar maquiagem, e a manteiga corporal de Gabriela. Pena que não produzam mais do segundo, prefiro ao perfume, rende muito e sai mais em conta.








Ganhei de brinde a amostrinha do perfume Abebé em jasmim, ylang ylang, calêndula, mel e baunilha. Que delícia, mil obrigadas.

Repare que algumas embalagens trazem um detalhe em tecido africano, muito charmoso.







No banheiro daqui de casa, Fefa e Ewé, um xampu sólido e outro líquido. Indo às compras nos sites de ambas, não esqueça de outra coisa muito importante: economize água.






Mais informação:
Pharmácia Granado
Fazendo baton em casa
Como funcionam testes em animais
Como funciona a indústria de cosméticos
Os maravilhosos sabonetes da Flor da Pele
O emplastro de inhame com gengibre (e argila)
A polêmica dos cosméticos "verdes" e um par de dicas da vovó
Incensos e aromatizadores de ambiente: o mundo é o que você cheira
06 produtos perigosos e 09 de origem animal que usamos diariamente sem saber

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Louvado seja

Encíclica ecológica do Papa Francisco: que mundo queremos deixar para quem vai nos suceder?

Aguardada com muita expectativa por ambientalistas e fiéis de todo o mundo, a mais nova encíclica do Papa Francisco acaba de ser lançada, a "Laudato si” [Louvado sejas, em português]. Desta vez, o foco é a importância da questão ambiental/ecológica para a humanidade. "Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai nos suceder, às crianças que estão crescendo?”, Esta interrogação pode ser considerado o âmago da Laudato si’, a aguardada Encíclica ecológica do Papa Francisco.


‘Laudato si’, publicada nesta quinta-feira, 18 de junho, é considerada pelo próprio Vaticano o documento pontifício mais importante dedicado à temática da ecologia até hoje, culminando um percurso de reflexão com mais de 50 anos.

O nome foi inspirado na invocação de São Francisco "Louvado sejas, meu Senhor”, que no Cântico das Criaturas recorda que a terra "pode ser comparada ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma mãe, que nos acolhe nos seus braços”.

Ao longo de seis capítulos, o Papa convida exorta todos a uma "conversão ecológica”, a "mudar de rumo”, assumindo a responsabilidade de um compromisso para com o "cuidado da casa comum”. A encíclica ecológica é dirigida aos/às católicos/as, mas, certamente, pode ser assimilada por todos os cristãos e fieis de outras religiões.

As temáticas tratadas são: as mudanças climáticas; a questão da água; a dívida ecológica; a raiz humana da crise ecológica; e a mudança nos estilos de vida.

Sobre o primeiro tema, o texto de Francisco assinala que as mudanças climáticas são um problema global, com graves implicações ambientais, sociais, econômicos, políticos, e constituem um dos principais desafios atuais para a humanidade. "O clima é um bem comum, um bem de todos e para todos”, e o impacto mais pesado da sua alteração recai sobre os mais pobres.

Com relação à questão da água, o Sumo Pontífice afirma, claramente, que o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos. Ou seja, privar os pobres do acesso à água significa "negar-lhes o direito à vida, radicado na sua dignidade inalienável”.

No âmbito de uma ética das relações internacionais, a Encíclica indica que existe uma verdadeira "dívida ecológica”, sobretudo do Norte em relação ao Sul do mundo global. Diante das mudanças climáticas, portanto, há "responsabilidades diversificadas”, e, certamente, as dos países desenvolvidos são maiores. Francisco se diz impressionado com a "fraqueza das reações” diante dos dramas de tantas populações.

No que diz respeito à raiz humana da crise ecológica, para o Papa, o ser humano não reconhece mais a sua correta posição em relação ao mundo e assume uma posição que ele chama de autorreferencial, centrada, exclusivamente, em si mesmo e no próprio poder. Isso deriva, então, numa lógica do "descartável”, que justifica todo tipo de descarte, ambiental ou humano.

O Papa propõe mudanças nos estilos de vida das pessoas, através da educação e da espiritualidade. Ele prega uma educação ambiental que incida sobre gestos e hábitos quotidianos, da redução do consumo de água, passando pela separação do lixo, até o apagar de luzes desnecessárias. Para Francisco, "uma ecologia integral é feita também de simples gestos quotidianos, por meio dos quais quebramos a lógica da violência, da exploração, do egoísmo”. O Pontífice recorda, porém, que tudo isto será mais fácil a partir de um olhar contemplativo que vem da fé. "O crente contempla o mundo, não como alguém que está fora dele, mas dentro, reconhecendo os laços com que o Pai nos uniu a todos os seres”.

Trajetória
No início dos anos 1970 do século XX, o beato Paulo VI (1897-1978) já alertava para um "problema social de vastas dimensões”, na carta apostólica escrita para o 80º aniversário da publicação da Encíclica ‘Rerum novarum’. Em 1970, dirigindo-se à Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), Paulo VI falou sobre a possibilidade de uma "catástrofe ecológica sob o efeito da explosão da civilização industrial”.

"O gradual esgotamento da camada de ozônio e o consequente 'efeito estufa' que este provoca já atingiram dimensões críticas”, alertava João Paulo II. Em sua Carta Encíclica ‘Centesimus annus’, de 1991, Karol Wojtyła ligou a questão ecológica ao problema do consumismo e ao que definiu como "erro antropológico”. "[O homem] pensa que pode dispor arbitrariamente da terra, submetendo-a sem reservas à sua vontade, como se ela não possuísse uma forma própria e um destino anterior que Deus lhe deu”, observou.

A Encíclica ‘Evangelium vitae’, de 1995, recorda que, em relação à natureza visível, a humanidade está submetida "a leis, não só biológicas, mas também morais, pelo que a crise ecológica é entendida como reflexo de uma crise moral”.

O penúltimo papa, Bento XVI, também deixou intervenções em favor de uma "economia verde” e do respeito pelo meio ambiente, promovendo um desenvolvimento sustentável. Na mensagem para o Dia Mundial da Paz, de 1º de janeiro de 2007, ele falava, especificamente, sobre o problema do abastecimento energético, alertando para "uma corrida sem precedentes aos recursos disponíveis”.

A água era outra preocupação papal, sendo considerada "um direito inalienável”, que não pode ser privatizado. Foi, sobretudo, na Encíclica ‘Caritas in veritate’, de 2009, que Bento XVI condensou a reflexão sobre a "proteção do ambiente, dos recursos e do clima”, a "monopolização dos recursos naturais” e a "exploração dos recursos não renováveis”.

Bento XVI afirmou que a degradação da natureza está estreitamente ligada à cultura que molda a convivência humana: quando a "ecologia humana” é respeitada dentro da sociedade, beneficia também a ecologia ambiental, dado que "respeitar o ambiente não significa considerar a natureza material ou animal mais importante do que o homem”.

A encíclica termina com uma Oração inter-religiosa pela Terra e uma Oração cristã pela criação. A seguir como está a divisão da Encíclica Laudato Si em capítulos:

CAPÍTULO 1: O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A NOSSA CASA (Aquecimento global e contaminação; Contaminação, lixo e cultura do descarte; O clima como bem comum; A questão da água; Perda da biodiversidade; Deterioração da qualidade da vida humana e decadência social; Inequidade planetária; A debilidade das reações; Diversidade de opiniões).

CAPÍTULO 2: O EVANGELHO DA CRIAÇÃO (A luz que oferece a fé; A sabedoria dos relatos bíblicos; O mistério do universo; A mensagem de cada criatura na harmonia de toda criatura; Uma comunhão universal; O destino comum dos bens; A visão de Jesus).

CAPÍTULO 3: A RAIZ HUMANA DA CRISE ECOLÓGICA (A tecnologia: criatividade e poder; A globalização do paradigma tecnológico; Crise e consequências do antropocentrismo moderno; O relativismo prático; A necessidade de preservar o trabalho; A inovação biológica a partir da pesquisa).

CAPÍTULO 4: UMA ECOLOGIA INTEGRAL (Ecologia ambiental, econômica e social; A ecologia cultural; A ecologia humana e o espaço da vida cotidiana; O princípio do bem comum; Uma justiça intergeracional bem entendida).

CAPÍTULO 5: ALGUMAS LINHAS ORIENTADORAS E DE AÇÃO (O diálogo sobre o meio ambiente na política internacional; O diálogo rumo a novas políticas nacionais e locais; Favorecer debates sinceros e honestos; Política e economia em diálogo para a plenitude humana; As religiões no diálogo com as ciências).

CAPÍTULO 6: EDUCAÇÃO E ESPIRITUALIDADE ECOLÓGICA (Apostar em outro estilo de vida - educação para a aliança entre a humanidade e o meio ambiente; A conversão ecológica; Gozo e paz; O amor civil e político; Os sinais sacramentais e o descanso celebrativo; A Trindade e a relação entre as criaturas; A Rainha de toda a criação; Mais além do sol).



Link em português para baixar direto do site do Vaticano o documento com 105 páginas: Laudato si´ (24 de maio de 2015)


Para baixar de meu slideshare pessoal: 





Mais informação:
O mundo é o que você compra
Quem são os proprietários do Brasil?
Quantos escravos trabalham para você?
"10 empresas controlam 85% dos alimentos”

Manifesto em defesa das Unidades de Conservação
Você compra demais ou "De onde vem o lixo produzido no mundo?"
Antropoceno, a era geológica em que o homem ‘desregulou’ a Terra
Economistas da Unicamp lançam Manifesto em Defesa da Civilização
O mito da venda de água: não existe água mineral engarrafada sustentável
Como funciona uma corporação e como o que você compra, implica nisso
RIO+20: "O Futuro que queremos" e as Declarações da Cúpula dos Povos
Carta de São Paulo, Recursos hídricos no Sudeste: segurança, soluções, impactos e riscos
A crise climática do século 21 foi causada por apenas 90 empresas (incluindo a Petrobrás)?
Carta aberta da Fiocruz frente às atuais mudanças na regulação de agrotóxicos e perdas para saúde pública
Parques de Energia Eólica, Conflitos e Injustiças Ambientais na Zona Costeira - Carta das comunidades e organizações da sociedade civil

Fábrica de cimento abandonada é transformada em castelo com terraços jardins

Um dos meus assuntos favoritos em sustentabilidade e urbanismo é o reuso de edificações antigas. Em muitas postagens daqui do blog, você vai encontrar iniciativas pelo mundo que reaproveitaram antigas construções, trazendo às mesmas uma nova função.

A cultura de demolir edificações antigas não nos trouxe nada de bom, nem mesmo qualidade de vida. E não sou a única que pensa assim, em todo mundo já existem movimentos na linha "Basta de demolir", dispostos a incorporar essas construções à rede de esgoto, malha cicloviária e áreas públicas de convívio, ao invés de colocar tudo abaixo para que um novo condomínio (com 2 vagas de garagem para cada unidade de 70m2) suba em seu lugar.

Na minha modesta opinião, o reaproveitamento de construções já existentes, além de esteticamente mais interessante, é mais econômico, sustentável pois não gera entulho nem demanda novos materiais de construção, energia e água, como também possibilita que toda a cidade assuma uma personalidade própria, mantendo o patrimônio histórico e memória arquitetônica.
Sou grande entusiasta e deixo o exemplo abaixo na esperança de que o mesmo inspire outros casos semelhantes.





Fábrica de cimento abandonada é transformada em castelo com terraços jardins


A antiga fábrica de cimento localizada em Barcelona na Espanha e construída em 1975 ganhou nova vida ao ser readequada pelo arquiteto espanhol Ricardo Bofill. Em tempos onde recursos e espaço tem se tornado cada vez mais escassos, o projeto pode ser visto como um importante exemplar de “re-arquitetura” e do reaproveitamento de espaços.
A imensa estrutura que se encontrava em ruínas acabou se tornando a residência e o local de trabalho do arquiteto. Composta por cerca de 30 silos, galerias subterrâneas e enormes salões, assim como um castelo medieval, a fábrica levou cerca de dois anos para ter sua reforma concluída. O arquiteto definiu o novo espaço demolindo algumas estruturas, expondo outras anteriormente escondidas e fazendo um imenso plantio de diversos tipos de vegetação.
Utilizando em favor do projeto o brutalismo da edificação, Bofill contrapôs esse aspecto com áreas verdes que fazem parte de toda a extensão do terreno e da estrutura. O projeto transformou a fábrica abandonada em um verdadeiro castelo contemporâneo repleto de terraços jardins.













Mais informação:

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Porque a alteração da rotulagem transgênica fere o direito à informação, a Lei de Biossegurança e só interessa ao agronegócio, veja a opinião do IDEC, OAB, Greenpeace e pelo menos uma dezena de juristas publicados

Greenpeace: Câmara aprova fim do símbolo de transgênicos nos rótulos

Rotulagem deixa de ser obrigatória mesmo para produtos alimentares à base de matéria-prima 100% transgênica; Congresso Nacional priva o consumidor de seu direito básico
A Câmara dos Deputados aprovou ontem o Projeto de Lei (PL) 4148/08, de autoria do Dep. Luis Carlos Heinze (PP-RS), que altera a legislação de rotulagem para transgênicos, existente desde 2003. Com a nova lei, apenas produtos que apresentem mais de 1% de transgênicos em sua composição final precisam ser rotulados e o símbolo do “T” preto em triângulo amarelo deixa de ser obrigatório.



Na prática, isso significa que a maior parte dos produtos que hoje são rotulados, garantindo aos consumidores brasileiros o direito à informação e escolha, não precisam mais exibir essa informação no rótulo, mesmo que tenham sido fabricados com matéria-prima 100% transgênica.






“O óleo de soja, por exemplo, amplamente usado pela população brasileira, não tem como ser testado para presença de transgênicos porque seu processo de fabricação destrói o DNA. Ou seja, você pode usar só grãos transgênicos na fabricação e ainda assim o teste não irá detectar”, explica Gabriela Vuolo, coordenadora da campanha de Alimentação e Agricultura do Greenpeace. O mesmo vale para margarinas, produtos contendo lecitina de soja (como chocolates e outros produtos industrializados), fubá, amido de milho e cervejas que contenham milho em sua composição - todos esses produtos têm o DNA destruído durante seu processamento sendo impossível, portanto, detectar a transgenia na composição final do produto.
A proposta aprovada ontem também extingue a exigência de rotulagem para produtos de origem animal e rações, e abre uma brecha para que produtos que não apresentem DNA transgênico em sua composição final sejam rotulados como “livres de transgênicos” - mesmo que tenham sido fabricados com matéria-prima 100% transgênica. Basta, para isso, que o teste realizado no produto final não apresente o DNA transgênico.
Retrocesso... e mais retrocesso
“Nesta semana tivemos a aprovação do Projeto de Lei da Biodiversidade, o PL 7735/14, que privilegia interesses privados em detrimento de comunidades tradicionais e pequenos produtores rurais. E agora este Projeto de Lei que aniquila o direito dos brasileiros de saber o que estão comendo”, atesta Vuolo. Ela lembra que também existem propostas para flexibilizar a legislação sobre terras indígenastrabalho escravo e agrotóxicos
A relação íntima entre a bancada ruralista e grandes empresas do agronegócio não é de hoje. Em 2010, um parecer do Dep. Candido Vacarezza foi denunciado por ter sido redidigo por uma advogada ligada à Monsanto. O parecer em questão era justamente a respeito do PL 4148, do Dep. Luis Carlos Heinze, aprovado ontem. Atualmente, tanto o Dep. Heinze quanto o Dep. Vacarezza estão sendo investigados pela Operação Lava-Jato.
“Afinal, a quem serve o Congresso? Por que os interesses de grandes empresas são sempre colocados acima dos interesses da população?”, questiona Gabriela Vuolo. O PL 4148 segue agora para o Senado.


IDEC: Fim da rotulagem dos alimentos transgênicos: diga não! (com petição online, não deixe de assinar)
O direito à informação dos consumidores e consumidoras continua ameaçado.
O PL Heinze, que prevê a necessidade de rotulagem dos alimentos que contenham ou sejam produzidos com mais de 1% de ingredientes transgênicos mediante ANÁLISE ESPECÍFICA, entrou na pauta da Câmara do Deputados no dia 28 de abril e foi APROVADO, sendo encaminhado agora ao Senado. 
Por isso, mudamos o foco da Campanha e precisamos que todos enviem o maior número de mensagens possível aos senadores utilizando a ferramenta ao lado para tentarmos barrar essa aprovação. Mesmo quem já enviou pode mandar novamente, quantas vezes quiser!

Caso o projeto de lei seja aprovado, corremos sério risco de saúde, pois compraremos alimentos como óleos, bolachas, margarinas, enlatados e papinhas de bebê sem saber se são seguros ou não. Atualmente, cerca de 92,4% da soja e 81,4% do milho do País são de origem transgênica. É essa produção crescente e acelerada que leva para a mesa do consumidor um alimento disfarçado ou camuflado que não informa sua real procedência. 

Nós, consumidores, temos o direito à informação (artigo 6º do CDC) sobre o que estamos adquirindo ao comprarmos e consumirmos um produto.

O que você pode fazer?
Além de enviar quantas mensagens quiser usando nossa ferramenta linkada, você pode:
Chamar seus amigos/as para participarem da campanha compartilhando essa informação no Facebook e/ou Twitter: Eu quero saber o que estou comprando! NÃO AO FIM  da rotulagem dos transgênicos  http://bit.ly/transgenicosnao

Entenda a campanha
No fim de 2013 o projeto de lei de autoria do deputado Luiz Carlos Heinze poderia ir à votação em caráter de urgência, a pedido do deputado Eduardo da Fonte (PP-PE). A ameaça não se confirmou. 
Em agosto de 2012, o Tribunal Regional Federal da Primeira Região,acolhendo o pedido da Ação Civil Pública proposta pelo Idec e pelo MPF, tornou exigível a rotulagem dos transgênicos independentemente do percentual e de qualquer outra condicionante, garantindo o direito à informação e à livre escolha estabelecidos no Código de Defesa do Consumidor.

A ABIA - Associação Brasileira da Indústria de Alimentos e a União recorreram diretamente ao Supremo Tribunal Federal (Rcl 14.873 e Rcl 14.859) e conseguiram em uma medida liminar do Ministro Ricardo Lewandowski para suspender os efeitos da decisão do Tribunal Regional Federal até o julgamento final do recurso. Até hoje não houve decisão final do Min. Lewandowski, mesmo com o parecer da Procuradoria Geral da República pela improcedência dos recursos da ABIA e da União.

Em 28 de abril de 2015, o projeto de lei foi colocado em votação na Câmara dos Deputados e aprovado com 320 votos e 135 contra e agora segue para apreciação no Senado.
Enquanto isso, corremos o risco de estarmos consumindo alimentos transgênicos sem que a informação esteja clara no rótulo, além de não termos o direito à escolha de um alimento sem qualquer presença desses organismos.

A introdução de transgênicos na natureza expõe nossa biodiversidade a sérios riscos, como a perda ou alteração do patrimônio genético de nossas plantas e sementes e o aumento dramático no uso de agrotóxicos. Além disso, ela torna a agricultura e os agricultores reféns de poucas empresas que detêm a tecnologia e põe em risco a saúde de agricultores e consumidores.
Precisamos que o maior número possível de mensagens contra esse PL cheguem ao Senado. Eles precisam saber que nós não queremos ser enganados e iludidos. Os consumidores têm o poder de escolha e o direito à informação. 






Em nota divulgada nesta terça-feira, dia 28, a Comissão de Bioética e Biodireito da OAB/RJ repudiou o Projeto de Lei 4.148/2008, do deputado federal Luiz Carlos Heinze (PP/RS), que permite que alimentos contendo transgênicos não sejam identificados no rótulo. 

O PL foi votado também na terça-feira na Câmara dos Deputados. Na ocasião, o plenário aprovou, por 320 votos a 135, a subemenda substitutiva de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB/SC).

Na forma do §3º do art. 1º da subemenda, o tamanho do aviso sobre transgênicos pode ser de um milímetro, que é o tamanho mínimo estabelecido no Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados, a Resolução 259/02 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O resultado é que, infelizmente, permanece no texto aprovado o grave prejuízo aos cidadãos brasileiros, que terão cerceados os direitos à informação e à livre escolha. É um verdadeiro retrocesso, uma grande derrota sofrida pela população e proveniente daqueles que deveriam representar seus melhores interesses no Poder Legislativo”, declarou a vice-presidente da comissão da Seccional, Fernanda Bianco. 

Veja a íntegra da nota abaixo.
 


Nota da Comissão de Bioética e Biodireito da OAB/RJ sobre o Projeto de Lei 4.148/2008
(Rotulagem de produtos transgênicos)

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4.148/2008, que objetiva alterar o artigo 40 da Lei de Biossegurança (Lei Federal 11.105 de 24 de março de 2005), para restringir a rotulagem identificadora dos produtos que contêm ou foram elaborados a partir de transgênicos apenas àqueles  em que “análise específica” detectar a presença de organismos geneticamente modificados na composição final.

O PL prevê, ainda, sob alegadas motivações exclusivamente comerciais, a exclusão de rotulagem de alimentos destinados a animais, bem como de produtos, tais como carnes, ovos e laticínios provenientes de animais alimentados com soja, milho ou qualquer outro produto transgênico, mas que são destinados a consumo humano.

É preciso ter em mente que mais de 90% da soja e 80% do milho produzidos no Brasil são transgênicos. 

Boa parte dessa produção é destinada à elaboração de rações animais e de alimentos ultraprocessados (óleos, margarinas, biscoitos, etc.). Para estes últimos, o processamento industrial inviabiliza a detecção laboratorial da proteína transgênica no produto acabado.
Assim, na prática, o PL 4148/2008, de iniciativa do deputado federal Luiz Carlos Heinze (PP-RS), teria como consequência a comercialização indistinta da larga maioria dos produtos transgênicos e a consequente impossibilidade de livre escolha pelo consumidor.

Este aspecto não recebe a devida importância no texto do PL, que, apesar de até reconhecer a existência de direitos do consumidor, deixa transparecer em sua justificação a quais interesses se subjuga, chegando a admitir expressamente que... a fixação de quaisquer percentuais de presença passível de isentar a rotulagem não segue nenhum conteúdo científico, mas sim, em verdade, econômicos, ou seja, custos gerados na ‘segregação’ da matéria-prima convencional da transgênica, em toda a cadeia produtiva.”.

Ora, instituída pelo Decreto 4.680/2003, que regulamenta o direito à informação no caso de alimentos e ingredientes alimentares transgênicos, a rotulagem pode ser feita a partir da documentação fiscal que deve obrigatoriamente acompanhar o produto (seja ele transgênico ou não). Assim, não há que se falar em custos adicionais, nem mesmo na necessidade de testes laboratoriais.

Não menos importante, a totalidade da soja GM e boa parte do milho GM cultivados no Brasil são resistentes a aplicações de agrotóxico à base de glifosato, recentemente classificado entre prováveis carcinogênicos pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial da Saúde. Produto químico este que responde por cerca de 40% de todo o volume de agrotóxicos usados anualmente no Brasil e se acumula mais nos grãos transgênicos.

Diante do acima exposto, a CBB-OAB/RJ entende que o projeto de lei em comento representa grave ofensa ao direito à informação e à livre escolha, consagrados pelo Código de Defesa do Consumidor, em cujo artigo 6º, inciso II, dispõe especificamente como direito básico do consumidora informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem”.

Não apenas isto, mas afronta normas internacionais específicas quanto aos transgênicos, como o Protocolo de Cartagena de Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica, ratificado pelo Brasil, que demanda, através de seu artigo 18. 2. a, que os países membros adotem medidas para assegurar a identificação de organismos vivos modificados nas importações/exportações, tanto os destinados à alimentação humana, quanto animal.

Como é sabido, o direito à informação é crucial à consecução dos direitos humanos fundamentais à saúde e ao meio ambiente equilibrado, por sua vez essencial à sadia qualidade de vida. Isto, pois a informação exerce papel basilar no poder de escolha dos cidadãos, sendo pré-requisito fundamental ao exercício efetivo da liberdade, inclusive no ato de consumo.

Além disto, a informação adequada possibilita que se tenha consciência das consequências das decisões. Neste caso, tanto das possíveis implicações à saúde humana, quanto das repercussões na preservação ambiental, posto que apenas um consumo consciente e sustentável é capaz de viabilizar a preservação dos recursos naturais às gerações presentes e futuras.

Portanto, a Comissão de Bioética e Biodireito da OAB/RJ manifesta-se contrária à aprovação do PL 4.148/2008 e favorável à plena rotulagem de produtos transgênicos.

 
Rio de Janeiro, 28 de abril de 2015.
Bernardo Brasil Campinho
Fernanda Bianco de Lucena Costa
Presidente
Vice-presidente
Gabriel Bianconi Fernandes
Integrante



Outras fontes:
Âmbito Jurídico: Produtos transgênicos: rotulagem e o direito à informacão do consumidor (um calhamaço em juridiquês com uma lista maior ainda de referências bibliográficas citando uma dúzia de juristas publicados)

Resumo: O estudo discorre de um viés analítico sobre a rotulagem dos produtos transgênicos e o direito de informação do consumidor, trazendo a lume as implicações no plano consumerista da saúde e da dignidade humana, do modo constitucional que se ver. O trabalho precário realizado pelas empresas responsáveis por produzir e disponibilizar produtos OGMs, quanto às suas deficiências, no que tange às informações nas embalagens e rótulos, até seu destino final, que é a venda. Baseando neste norte, o enfoque também usa a Lei de Biossegurança no Brasil que trata dos produtos produzidos a partir de organismos geneticamente modificados utilizando a saúde, a informação e a prevenção como soluções para os problemas que atingem os rótulos e embalagens dos produtos transgênicos.



Mais informação:
Eucalipto transgênico, o que você precisa saber
Todos cobaias: o mito da eficiência em transgenia
Butão quer ser o Primeiro País com Agricultura 100% Orgânica
Não contém glúten: GMO, glifosato, ambos ou uma nova teoria?
A reforma do Código Florestal - veja quem votou contra e a favor
A guerra pelas sementes transgênicas e o monopólio da terra e do cultivo
Bunge, uma das empresas que "investiu" na aprovação do Código Florestal