domingo, 3 de janeiro de 2016

O reflorestamento no Pão de Açúcar



Não lembro mais como cheguei nele, mas acredito que todo carioca já tenha pelo menos ouvido falar de Domingos Sávio Teixeira, responsável pelos mutirões de reflorestamento no Pão de Açúcar.
Nascido no Mato Grosso do Sul e criado em Rondônia, Sávio foi eleito um Carioca Nota 10 pelo trabalho sério que conduz reflorestando a encosta do cartão postal carioca há 13 anos. O trabalho começou solitário e por conta própria, com a decisão do próprio Sávio em adotar uma área para reflorestamento.
O grupo foi crescendo, amigos indicaram amigos, desconhecidos gostaram, o Rotary e o CERJ sempre prestigiavam e até a seleção feminina de vôlei universitário de Nashville fez questão de reflorestar quando em visita ao Rio. Enfim, reflorestar com o Sávio virou de lei, e eu embarquei nessa, é claro.
Falto mais do que vou, é verdade, mas fiz questão de divulgar porque é um trabalho muito merecido.

Como estava antes, foto dos anos 80, retiradas do blog do Sávio que mostra a área tomada por capim:




Como ficou depois de muita gente subir e descer essas encostas carregando mudinha, foto de 2013:




O que atrapalha um programa de reflorestamento: Incêndios Florestais (normalmente causados por balões), espécies não nativas invasoras, falta de apoio, a ignorância das pessoas e claro, trilheiros despreparados que pisam nas mudinhas recém plantadas, a poluição, o aquecimento global e a crise hídrica.

Veja nas fotos abaixo, retiradas do blog do Sávio, como ficam as áreas após os incêndios:






Sávio recebendo o Prêmio Parceiro do Meio Ambiente pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, na reportagem da Veja Rio como Carioca Nota 10, resgatando balas de canhões que eram atiradas no local, a entrada da baía, e mais uma foto do blog do Projeto, mostrando uma área de difícil acesso para reflorestar.








Minha experiência no último mutirão:






Todos adoramos jaqueiras, espécie não nativa brasileira que alastra como uma praga e expulsa nativas menores. Enquanto um grupo cata as sementes de jaca caídas, para evitar que brotem, outra jaca recém caída, descansa bem ao lado, cheia de sementinhas.




Outra espécie não nativa que também é um pesadelo na Floresta da Tijuca, a popular "comigo ninguém pode".




Uma figueira majestosa, que dá frutos:














A muda de pitangueira protegida para vingar.






De cima, só dá para ver a casinha dele, mas por debaixo da concha, o tamanho e as antenas desse caramujo impressionam.



Mesmo que trilhas e reflorestar não sejam a sua, a pista Claudio Coutinho é o passeio imperdível no Rio, pela beleza e segurança.






Boa sinalização na trilha e pista de corrida mais conhecida do Rio, a pegada da Transcarioca e um ponto de descarte de pilhas e baterias.








Quem for trilhar e reflorestar, faz como essa moça, sobe uma trilha simples e sinalizada na mata que circunda a trilha com toda segurança para pessoas de todas as idades, inclusive crianças.




Na saída da pista Claudio Coutinho, a boa, um lanchonete árabe nova, onde antes funcionava uma lanchonete ruim com joelhos e coxinhas brutos. A Urca é um bairro nobre, sua orla ficou famosa pela murada onde bebe-se cerveja a preços altos. Como eu nunca curti essa badalação toda, acabava deixando para lanchar perto de casa depois dos passeios. Agora, a lanchonete árabe, barateira e afastada da badalação, virou o point de quem lancha com corda de escalada no colo e precisa comer bem e barato.






Por que reflorestar? Porque está um calor infernal, já é um bom começo. Porque a manutenção de árvores aumenta a precipitação de chuvas e ajuda a manter o volume dos rios, principalmente em áreas de matas ciliares. Porque embeleza, atrai a fauna nativa - geralmente expulsa com queimadas e degradação, porque ainda nem mapeamos todas as nossas espécies nativas da flora brasileira e com isso, não temos a menor ideia do potencial dessas plantas. Porque as não nativas invadem indiscriminadamente, expulsando as mesmas nativas ainda não estudadas. Porque tem que ser feito.


Blog Oficial do Projeto de Recuperação Ambiental no Pão de Açúcar: Paodeacucarverde.blogspot.com.br/

Página Oficial do Projeto no Facebook: Projetopaodeacucarverde




Mais informação:
Na Jureia: o SNUC
O mito do reflorestamento de eucalipto
Turismo sustentável: 10 pecados naturais
O mito das emissões de carbono neutralizadas
Manifesto em defesa das Unidades de Conservação
“Se foto bonita divulga, por que os parques dificultam?”
Como funciona um programa de compensação ambiental

sábado, 2 de janeiro de 2016

Mais delícias geladas

Uma postagem antiga e muito popular é a "Delícias geladas" com bebidas caseiras para essa época do ano em que morremos de sede o dia todo, cheia de chás gelados, suco da folha do capim limão, refrescos com inhame cru e invenções minhas em kefir e carambola, delícias para todos os gostos.

Toda bebida pronta é crime de hidropirataria, um único litro de cerveja-refrigerante consome no mínimo 30 de água para ser fabricado. Onde hoje existe uma fábrica de bebidas, amanhã haverá solos desertificados, fontes de água secas, instalações industriais abandonadas, economia local sucateada e um quadro de abandono social devastador. Não exagero, já existem documentários premiados acerca, leia e assista a partir de links nas postagens "Flow, por amor à água", "Nestlé mata fontes de São Lourenço, a PureLife é uma água química", "Por Deus, pela pátria e pela Coca-Cola", "Hidropirataria nas águas de São Lourenço", "Cachaçaria certificada como orgânica seca lagoa de reserva indígena", "Empresa japonesa instalada no Aquífero Guarani exporta água mineral engarrafada", "A história da água engarrafada", "Ouro Azul: A guerra mundial pela água".
A hidropirataria, na minha opinião, é o grande crime ambiental do século XXI, ninguém rastreia e seus resultados, além de levar décadas para aparecer, muitas vezes são irreversíveis.

Convém lembrar que todo processo industrial polui e demanda transporte para entrega ao consumidor, transporte feito emitindo CO2, já que nossa rede ferroviária é praticamente nula. O Brasil é o único país do mundo que transporta minério de ferro em caçamba de caminhão, não vistoriado com um motorista exausto numa estrada toda esburacada.

O processo industrial por detrás do consumo de bebidas prontas está matando a gente e o planeta. Alguns supermercados vendem sucos de frutas naturais feitos no mesmo dia e até água de coco a litro. As garrafas são plásticas, mas podem estimular um programa de retorno de engradados, como as fábricas de refrigerante faziam antigamente.

A prateleira da minha cozinha é forrada de potes cheios de ervas secas para chá, compradas a granel por 1/3 do valor da erva empacotada do supermercado. Mate, camomila, lavanda (para colocar nos bolos e panquecas integrais), erva cidreira (ou capim limão)...

Aqui no Rio, bebe-se muito mate gelado batido com alguma fruta, à moda das vitaminas, em morango e abacaxi com hortelã são as versões mais populares
Você pode fazer muitos chás gelados ou não em substituição às bebidas prontas, além de sair muito mais em conta, basta ferver água (da torneira), apagar o fogo e juntar a erva escolhida deixando tampado para fazer a infusão. O próprio hábito de beber chá já é uma justificativa para manter uma horta caseira.

Para quem prefere fruta e seus refrescos: Polpa de maracujá congelada, da própria fruta, basta retirar as sementes e congelar, você faz suco, chá com sucolassi e até mousse em qualquer época do ano. Normalmente, o feirante vende sacos de 1kg a preço simbólico no finalzinho da feira, antes de encerrar, ele aproveita os maracujás "feinhos" que não tiveram saída. Polpas de fruta em geral, congeladas, não são a melhor opção, mas pelo menos demandaram muito menos energia, água e embalagem do que uma garrafa de suco. Algumas marcas, já vendem polpas de frutas orgânicas
Casca de abacaxi congelada, a que sobrou e ia para o lixo, basta congelar picada em pedaços. Rende suco, chás (em canela ou hortelã-poejo) e até uma calda de sorvete, se fervido o suco coado com rapadura. 

O grande apelo da alimentação natural, na minha opinião, é a capacidade de adaptação, a partir de uma fruta-vegetal, você pode preparar bebidas e pratos com as consistências e texturas as mais variadas. Como todo mundo, tenho as minhas manias, então abaixo, trago o que tenho curtido fazer aqui em casa. 










A obsessão do chá de hibisco. Flores secas compradas a granel, feito na infusão para ficar nessa cor linda de vinho tinto. Não adoço nem junto gengibre, bebo puro e gelado, bem forte. Bebo não, me encharco porque adoro de paixão.



A leveza da água aromatizada de abacaxi com hortelã ou de melancia com melão e gengibre, para aqueles dias em que dá vontade de tomar jarras do suco, mas ninguém quer ficar empanzinado depois de comer arroz com feijão. Para todas as receitas dessas águas chiques, levinhas e sustentáveis, vá na postagem "Águas aromatizadas".
A casca do abacaxi vira o incrível chá de casca de abacaxi com canela (e gengibre, opcional).












Refresco de compota. Esse já apareceu em goiaba aqui no blog, está na postagem "2 anos sem forno e fogão", mas o feitio vem agora. Basta fazer uma compota-geleia simples de qualquer fruta seca ou fresca das polpudas, cozinhando a mesma em água sem qualquer adoçante-açúcar até amolecer. Vira uma compota-geleia, há quem bata no liquidificador e quem deixe os frutos inteiros. Eu sou da turma que deixa inteiro e mastiga os pedacinhos. Então, para fazer o refresco, basta juntar uma colher de sopa dessa compota a um copo de água fria. Na foto abaixo, está em ameixa seca, a versão mais esquisita. Para bebidas mais populares, use: damasco e abacaxi secos, goiaba, manga, maçã e caqui frescos...
Não estranhe, rrefrigerante é feito a base de água, gás e um xarope-extrato. A geleia caseira sem açúcar funciona como esse xarope. Para gaseificar, use kefir.
E os cães também gostam, porque é bem docinho!

Nessa postagem, "2 anos sem forno e fogão"você encontra mais bebidas caseiras, como os refrescos de uva fresca, refrigerante de cajuína orgânica, smoothie de frutas vermelhas em água de coco, limonadas de xepa com limão galego orgânico e as folhas verdes que normalmente vão para o lixo (como a da beterraba), refresco de mamão vermelho com maracujá, de cenoura com beterraba e gengibre...












Refresco de gelatina de caqui em água de coco. Essa história começa em uma das primeiras postagens do blog, sobre gelatinas caseiras. A gelatina industrial é uma porcaria, então eu faço caseira com agar agar, uma alga marinha em pó bem barata nos empórios japoneses ou lojinhas de produtos naturais. No link das gelatinas caseiras, você encontra muitas receitas, a partir de sucos e dessas compotas de frutas sem açúcar. Então eu faço um jarrão de refresco de caqui batido na água de coco e levo a ferver com as algas em pó na metade da proporção indicada, para ficar mais mole mesmo. Junto umas raspinhas de casca de laranja e deixo na geladeira como um refresco de gelatina. Bom demais. Essa foto é dos caquis orgânicos da feira daqui do bairro, mais baratos do que os convencionais. Em gelatina de manga com maracujá também fica muito gostoso.













Vitamina de abacate em leite de coco com arroz orgânico. Eu gosto tanto de abacate que tenho uma postagem só para ele, "Abacate". Comecei fazendo a vitamina com leite de coco caseiro e não curti muito, um dia resolvi tentar com o orgânico e ficou uma coisa de bom. Para de vez em quando, porque é meio carinho e porque tetrapack não recicla. Uma opção mais sustentável e barata é a vitamina de abacate em suco de laranja, que vira mousse, se bem grossinha, e sorvete, se congelada - mas, tem que espremer as laranjas antes.













Suco de maçã, cenoura e gengibre na centrífuga, geladinho. Pode ser feito sem maçã também, só o sumo da cenoura com gengibre, delícia muito saudável. Centrífugas não são exatamente muito úteis, nem devem ser usadas para sucos, pois isolam muito açúcar e retém toda a fibra, que deve ser ingerida justamente para dar a sensação de saciedade, mas se tiver que fazer algo na centrífuga, que seja esse sumo de cenoura com gengibre, diluído em maçã, é o suco base da dieta vegana anticâncer do Gerson´s Institute, leia mais e assista ao documentário na postagem "Dying to Have Known (Morrendo por não saber)". Eu prefiro sem a maçã e, se pudesse, beberia um copão todo dia em jejum.



Os cães comem os bagaços, que eu não gostei quando tentei incorporar à massa de pão e refogando no feijão.








Suco verde orgânico com todos os vegetais possíveis das barracas ao lado na Feira de Orgânicos da Praça Afonso Pena, Tijuca. E uma bênção carioca, nossos carrinhos de água de coco fresca, onde vende-se meio litro a R$5,00.







O mate de torneirinha com ou sem limão feito a partir da erva-mate orgânica, vendido sem embalagens em copo de papelão que pode virar refil e ser reciclado, pelo mesmo preço dos concorrentes convencionais.


































Laranjada Americana, uma tradição carioca de torneirinha servida em copinhos antigos (foto deles).














Outras sugestões:


Mate gelado, mate gelado com limão ou batido com frutas mais aguadas como abacaxi e morango.

Chá de camomila geladochá de camomila gelado com limão ou suco da polpa do maracujá ou da casca do abacaxi (batido no liquidificador).

Hortelã fresca ou seca, também rendem chás refrescantes e simples.

Chá preto com laranja, quente ou frio. Com ou sem leite.

Chá de maçã gelado feito com maçã desidrata comprada a granel (e até aproveitando a casca da maçã que iria para o lixo), feito na panela com rapadura, gengibre, canela em pau e um cravinho. Colocar a rapadura no chá enquanto ele fica na infusão, garante uma consistência aliquorada que funciona para os chás de inverno.

Chá de morango com canela gelado
1 xícara de folhas frescas de morango
1 dedinho de gengibre
1 pau de canela
500ml de água

Chá de laranja, limão e tangerina, feito a partir das folhas, que normalmente acabam no lixo.
Seria a xepa da feira, não fosse Marisa, que há tantos anos trabalha na casa da Sueli, dar um destino. Ela faz assim:
As folhas do limão, que iriam para o lixo e normalmente são descartadas no chão do supermercado (ou da feira), ela lava bem, deixa secar à sombra e faz um chá com elas.
O chá é feito da mesma forma que qualquer chá, fervendo a água e colocando as folhas para fazer a infusão depois do fogo apagado.
Fica delicioso e pode ser feito igualmente com as folhas da laranja, tangerina e limão galego.

Há muitos anos, assisti a um dos programas da Nigela e ela fazia uma sopa de frutos do mar cujo caldo era aromatizado com folhas de limão, compradas congeladas e a quilo na Inglaterra. Ao logo do programa, ela cheirava a folha feliz da vida, dizendo que valia a pena o que se pagava por elas. Aqui é lixo, mas poderia ser um anti-gripal 100% natural e acessível a população carente.




Mais receitas:
Sangrias
Smoothies





Mais informação:
Como funcionam os aquíferos
Beber água pura não deveria ser caro

Quanta água existe de fato no planeta?
Consumo de água x aumento da população urbana
Como funciona uma estação de tratamento de água
Água mineral sendo vendida em tetrapack, que não recicla
Quando a sustentabilidade me deixou na mão 02: filtro de barro
O mito da venda de água: não existe água mineral engarrafada sustentável

Limpa estofados biodegradável da Purilimp

Promessa é dívida. Em 2014, com um sofá sofrido pela mudança de casa, interessei-me por um limpa estofados biodegradável distribuído pelos amigos da Purilimp. Não permitiram que eu comprasse e me enviaram um frasco de presente. Limpar o estofado virou uma promessa de ano novo para 2015, que eu vergonhosamente arrastei até os 45 do segundo tempo. Morta de remorso, não deixei passar para 2016 e encarei meu sofá nesse fim de semana. Ficou um brinco, o limpador cumpre o que promete. Mil obrigadas pelo presente, está mais do que aprovado e recomendado.



Como estava antes:









Como ficou depois da aplicação do produto, que precisa ser esfregado com força, eu usei uma esponja, mas também pode ser uma escovinha.






Para um sofá de 2 lugares só usei metade do frasco e a esponja saiu tão imunda, que nem me admira a mudança de cor no estofado. O produto é ótimo e tem um cheiro que lembra mais aniz estrelado em lugar da lavanda. Mas sofá florido, padrão com branco e tecido aquablock nunca mais! Já apanhei em outros apartamentos no chenile cinza e no couro sintético caramelo, na próxima tento sued ou jacquard, em tabaco ou grafite.





Outro produto incrível da Purilimp já postado pela criatividade em reaproveitar o que, até então, não havia tecnologia de reaproveitamento: Móveis reciclados a partir do plástico e alumínio dos tubos de creme dental



Mais informação:
Comendo a ração que vende - parte 05: lavanderia
A casa sustentável é mais barata - parte 04 (ecotintas)
A casa sustentável é mais barata - parte 09 (lavanderia)
Comendo a ração que vende - parte 08: os móveis de Angela Freitas
A casa sustentável é mais barata - parte 12 (faxina e controle de pragas)